25/02/2019

Não é Não!

Discute e visa combater o assédio em todo o Brasil, e promover espaços mais seguros para as mulheres no carnaval de 2019.

O Não é Não é um coletivo de mulheres criado em 2017 que discute e visa combater o assédio em todo o Brasil. A ideia era colar uma tatuagem temporária nas moças que fossem curtir a folia com uma frase direta: “Não é não!“. O projeto surgiu quando as amigas conversavam sobre uma triste e corriqueira realidade dos festejos brasileiros. Uma garota foi agarrada, tentou se desvencilhar e disse: “Não! Eu falei não, você não entende? Não é não!”.

O coletivo distribui tatuagens temporárias às mulheres no Carnaval criando uma rede de apoio e fortalecimento nacional.

Leia Mais:

Assédio é diferente de paquera!

Saiba identificar situações de assédio e a seguir o que fazer se você for vítima ou testemunhar algum caso:

  • Beijo forçado
  • Mão boba
  • Puxar o cabelo
  • Agarrar pelo braço
  • Não aceitar rejeição e seguir insistindo
  • Xingar de vagabunda ou outros termos
  • pejorativos depois de finalmente desistir de te
    agarrar

Todas essas situações e todo e qualquer toque não consentido podem ser classificados como crimes, que vão desde ameaça, lesão corporal ou importunação sexual.

Nossa liberdade de ir e vir, de nos vestirmos e nos comportarmos como quisermos ainda precisa ser reivindicada.
Os números da violência contra a mulher revelam que somos vítimas de comportamentos naturalizados que precisam ser combatidos. Entre eles o assédio, uma agressão e violência que precisa ser denunciada.

Como agir?

Aqui temos sugestões para blocos e coletivos agirem em casos de assédio no contexto do Carnaval, adequando o acolhimento à sua realidade.

  • Acolher a vítima: entender o ocorrido, afastá-la do agressor.
  • Não colocar vítima e agressor frente a frente. Essa é uma prática que preserva a segurança e imagem de quem precisa ser protegido.
  • Não expor os detalhes do caso ou a identidade da vítima para os demais integrantes do bloco, mas não deixar de discutir sobre o tema, pois levantar essa pauta e provocar a reflexão por todos são meios de combate aos mais variados tipos de assédio.
  • Encaminhar a vítima para equipamentos públicos que possam auxiliar o trato da situação.
  • Conversar entre produção, banda e com a bateria, e se posicionar a respeito do assédio e outras agressões ao longo do ano. É preciso falar sobre assédio para coibí-lo.
  • No início do cortejo dar orientações ao microfone sobre o combate ao assédio e sobre como o público deve agir caso ocorra algum episódio. Ex: parar o cortejo até que a vítima seja acolhida, todos em volta do agressor se abaixarem etc.
  • Sugerimos que a equipe de apoio use apitos ou esteja identificada com algum elemento de fácil reconhecimento, como: blusa de uma cor específica, pulseiras ou o que melhor se adequar à realidade do bloco.
  • Se a vitima não pode oferecer resistência, seja por estar inconsciente, embriagada ou drogada, é estupro.
  • Se uma das partes, durante uma relação consentida, pede pra parar e o outro continua, é estupro.
  • Ocorrendo violência física ou sexual, solicite a realização de um exame de corpo de delito ao delegado.

EMERGÊNCIA

  • 193: Corpo de Bombeiros
  • 192: SAMU
  • 190: Polícia Militar
  • 180: Central de Atendimento à Mulher
  • 153: Guarda Municipal

Aos Homens

  • Não assediem!
  • Converse com seus amigos e ajude a coibir
    ações de assédio ou agressão.
  • Caso tome conhecimento de algum caso,
    não tente resolver sozinho. Colabore para que
    a denúncia chegue ao bloco.
  • Antes de qualquer atitude, assegure-se de
    que a violência tenha cessado: é preciso ter
    atenção à vítima.



  • Receba nossas novidades

    Informe seu email válido

    Informe seu Nome