- Biblioteca Virtual de Enfermagem – Cofen - http://biblioteca.cofen.gov.br -

Relação Entre Sistematização da Assistência de Enfermagem e Segurança do Paciente

A Enfermagem, como profissão do cuidado ao ser humano, deve promover uma assistência segura e humanizada. A
preocupação com essa garantia tem sido objeto de pesquisa de vários estudiosos na área da saúde. Outrossim, ao exercerem a sua profissão, os enfermeiros precisam cumprir as disposições da Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986 [1], e do Decreto nº 94.406, de 08 de junho de 1987 [2], que tratam do exercício profissional da Enfermagem.

Sistematização da assistência de enfermagem e segurança do paciente

Ressaltam-se, também, as responsabilidades e deveres presentes no Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem: Art. 12 – Assegurar à pessoa, família e coletividade assistência de enfermagem livre de danos decorrentes de imperícia, negligência ou imprudência.

Diante do exposto, não se pode idealizar a assistência de enfermagem, sem pensar em cuidado seguro. No entanto,
o que parece óbvio, vem sendo apontado de maneira diferente por alguns estudos. Os achados das pesquisas chamam a atenção para a necessidade de um preparo rigoroso dos enfermeiros para o cumprimento do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem, evitando a ocorrência de eventos adversos.

Nesse sentido, durante o cuidado profissional de enfermagem. É imprescindível a sistematização da assistência de enfermagem (SAE). Destacando-se a Resolução 358 de 2009, que dispõe sobre a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados.

Assim, no currículo do curso de graduação, a temática SAE deve ser considerada transversal, ou seja, abordada em todas as disciplinas relacionadas aos cuidados de enfermagem [3]. Aponta-se a SAE como um instrumento facilitador e que direciona para uma assistência de qualidade, colaborando para a autonomia e cientificidade da profissão.

É, também, imprescindível que os cursos de graduação em enfermagem abordem a segurança do paciente durante o processo de formação, enfatizando a necessidade de se trabalhar a segurança enquanto cultura organizacional e ferramenta gerencial para o enfermeiro.

Compartilhar
[4] [5]