- Biblioteca Virtual de Enfermagem – Cofen - http://biblioteca.cofen.gov.br -

O Processo de Formação do Enfermeiro e Seu Agir Profissional

O agir profissional do enfermeiro corresponde ao conjunto de saberes adquiridos no período de formação, mas, que só adquire status de ação profissional quando o graduando (aprendiz) o experiencia na realidade prática. Isso, acontece porque o vivido durante o ensino de graduação, em muitos momentos, projeta-se como disposição para a ação prospectiva em enfermagem, no cenário de prática.

O Processo de Formação do Enfermeiro e Seu Agir Profissional

O Processo de Formação do Enfermeiro e Seu Agir Profissional. Foto: Divulgação

A conjunção entre o vivido no curso na forma de aulas teórico-práticas e as experiências nos estágios curriculares, materializam-se, então, como um conjunto de práticas. O objetivo do estudo foi compreender como a formação acadêmica orienta o processo didático-pedagógico para o desenvolvimento do agir profissional prospectivo do enfermeiro e, ainda, como o processo de formação em enfermagem e a realidade prática participam do desenvolvimento da disposição para a ação prospectiva, no agir profissional do egresso de enfermagem.

Trata-se de uma pesquisa exploratória, de caráter qualitativo que privilegiou a perspectiva fenomenológica. O cenário do estudo foi o Curso [1] de Bacharelado de Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (EEUSP [2]). Participaram do estudo 19 egressos de enfermagem que concluíram o curso, com base na última reformulação curricular da instituição (2010/2013) e, já se encontravam inseridos no mundo do trabalho. A coleta de dados aconteceu por meio de entrevistas gravadas. O referencial teórico-metodológico para análise dos resultados utilizado foi a Teoria da Interpretação do filósofo Paul Ricoeur. Este método de análise fundamenta-se na compreensão dos resultados pela aplicação de uma matriz interpretativa nas narrativas, obtidas após a transcrição das entrevistas. Esse método contempla três fases interpretativas: a primeira, denominada de Teoria do Discurso que, corresponde a uma leitura inicial da narrativa e sua organização, com a síntese do evento e significação relacionadas à vivência, que possibilita a primeira interpretação ou pé-compreensão. A segunda fase, nomeada de Teoria do Texto, na qual acontece a análise estrutural do resultado da pé-compreensão, de forma a obter-se ao final desta fase a análise crítica das inferências, na forma de unidades de significado denominadas de Temas/Subtemas. E, por fim, a última fase, a Teoria da Leitura que possibilita uma interpretação mais profunda do material em avaliação, de modo que se possa validar a primeira conjectura, obtida no final da segunda fase, por meio de uma compreensão crítica. Todas estas fases apresentam, em sua estrutura, a dialética tricordiana.

Processo de formação do Enfermeiro

Após a análise dos resultados, emergiram duas categorias temáticas: a primeira foi O Mundo do Curso, que tratava da expressão do agir do egresso, considerando suas intermediações com a vivência acadêmica. Esta categoria suscitou a divisão em três subcategorias: Proposta Pedagógica, na qual a expressão mais ativa do agir acadêmico foram a postura humanística, a postura investigativa e a capacidade de desenvolver o pensamento crítico-reflexivo. A segunda subcategoria foi a Organização Curricular, que evidenciou a complexa rede de inter-relações presentes nas atividades disciplinares, práticas e relacionais e, por fim, a última subcategoria Prática Docente que trouxe à luz questões relativas ao preparo para a ação pedagógica, apresentada pelo docente e, ainda, o inter-relacionamento docente-discente. A segunda categoria temática foi nomeada de O Mundo do Trabalho, esta representou a expressão do agir do egresso, considerando-se as influências da realidade prática sobre seu agir profissional, tal categoria também foi dividida em duas subcategorias: ressignificação do agir profissional, que teve como resultado expressões e caminhos da ressignificação que sofreu o agir acadêmico e, a segunda subcategoria, disposição para a ação prospectiva, desvelou as percepções dos egressos sobre seu agir no contexto da realidade prática.

Ao final do estudo, foi possível observar que a formação acadêmica no ensino de enfermagem apresenta-se como estrutura processual que a depender de sua proposta pedagógica, organização curricular e prática docente é capaz de colaborar com o desenvolvimento da disposição para a ação prospectiva no agir profissional do egresso de enfermagem, mas, é preciso dizer que a incorporação dos atos de disposição para a ação prospectiva só aconteceu de fato quando o egresso contrapôs o arcabouço de conhecimentos e vivências formativas com a realidade prática do mundo do trabalho.

Compartilhar
[3] [4]