09/07/2019

Importância da Bioética na Formação do Enfermeiro para o Atendimento do Adolescente Enfermo Crônico

Discute a bioética na formação do enfermeiro como recomendação para a assistência ao adolescente enfermo.

Com a finalidade de discutir sobre bioética, como conceitos, sua importância na assistência, ensino e pesquisa, e identificando-os com nossa prática profissional que é voltada para a área assistencial e educativa. Se aborda, neste artigo de reflexão, a questão ética no ensino para a formação do enfermeiro. Que sugere dessa forma algumas recomendações para a assistência ao adolescente com doença crônica.

Ética é a ciência da moral, dos deveres do homem em relação a Deus ou dos valores universais relacionados com a “morada humana” (ethos). É entendida, também, como uma disciplina concernente ao que é moralmente bom ou mal, certo ou errado.

Leia Mais:

Ética como parte do currículo de Enfermagem

A tarefa da ética é a procura de estabelecimento das razões que justificam o que “deve ser feito”, e não o “que pode ser feito”. É a procura das razões de fazer ou deixar de fazer algo, de aprovar ou desaprovar algo. Do que é bom e do que é mau, do justo e do injusto. Falar de motivação, resultados, ações, ideais e valores, princípios e objetivos. A ética pode ser considerada uma questão de indagações, e não de normatização, do que é certo e do que é errado.

No ensino da Enfermagem, a ética faz parte do currículo como disciplina, com conteúdos que devem permitir a criação de espaços para a reflexão. A característica de fazer “parar para pensar”, objetivando fazer raciocinar adequadamente para conduzir com competência, comprometimento e responsabilidade a profissão. A ética pode ser definida como saber que agrega e integra as várias disciplinas do currículo de enfermagem. Para que todos tenham uma linguagem comum, relacionada aos princípios éticos que norteiam nossa profissão.

Considerando que o conceito de adolescente é relativamente recente na História, a noção de adolescência tem suas raízes na Grécia Antiga. Aristóteles considerou os adolescentes como “apaixonados, irascíveis, capazes de serem arrebatados por seus impulsos,… [ainda que tenham] altas aspirações… Se o jovem comete uma falta é sempre no lado do excesso e do exagero, uma vez que eles levam todas as coisas longe demais”. Com base nessas observações, pode-se afirmar que vinculada à ideia adolescente encontramos o estilo adolescente. Pode ser resumido em: preparação, vir a ser, crescimento e dor.




    revista_enfermagem
    munean
    anais_cbcenf