- Biblioteca Virtual de Enfermagem – Cofen - http://biblioteca.cofen.gov.br -

História de Familiares Que Vivenciam o Cuidado da Pessoa Com Depressão

A depressão é considerada o transtorno mental [1] mais prevalente na atualidade. Afeta pessoas de diferentes faixas etárias, gera perda da qualidade de vida e relaciona-se ao suicídio [2]. Afeta a dinâmica da família, gerando impacto na vida do familiar que cuida daquele que tem depressão.

História de Familiares Que Vivenciam o Cuidado da Pessoa Com Depressão

História de Familiares Que Vivenciam o Cuidado da Pessoa Com Depressão. Foto: Divulgação

Este estudo objetivou conhecer como o familiar vivencia o cuidado da pessoa com depressão. Desenvolveu-se estudo qualitativo, seguindo o método História Oral Temática Híbrida. O local da pesquisa foi um CAPS III da cidade de Curitiba-PR.

Os colaboradores foram quatro familiares que cuidavam e acompanhavam seu familiar em tratamento para depressão no referido local. A coleta de dados foi orientada por entrevista semiestruturada com audiogravação dos relatos, tendo ocorrido entre os meses de fevereiro e julho de 2019. A análise das entrevistas seguiu as orientações da História Oral, proposta por Meihy e Holanda (2017), que compreende as etapas de transcrição absoluta, textualização e transcriação, com a elaboração da versão final dos textos.

O impacto da depressão

Nesta análise, revelaram-se quatro Temas Relevantes. No tema 1 – O entendimento sobre a doença e a trajetória nos serviços de saúde – os familiares revelaram que seu entendimento sobre a origem da doença perpassa pelas questões empíricas e orgânicas, além de trazerem questionamentos e incertezas sobre o quadro de seu familiar. Nesse tema, trouxeram que a trajetória pelos serviços de saúde até o atendimento no CAPS III transitou entre a atenção básica e, na maioria dos casos, pelo serviço de urgência. Denotaram que a contribuição do CAPS III para recuperação de seu familiar não lhes é clara, tendo sido tecidas críticas a respeito do funcionamento deste serviço, do PTS, do papel do TR e da rotatividade de profissionais. O tema 2 – O impacto da depressão na saúde física e na questão financeira dos familiares – revelou a influência da depressão na saúde física com a diminuição das atividades de lazer e a descontinuação de tratamentos de saúde em virtude do cuidado; esse tema mostrou, ainda, a carga financeira a que os colaboradores estão sujeitos visto a maioria dos familiares adoecidos não receber auxílio financeiro e não apresentar condições de trabalho remunerado. O tema 3 – O impacto emocional da depressão nas relações familiares – evidenciou a interferência na saúde emocional dos colaboradores, que se apresentou heterogênea entre os participantes, revelando os que têm intenso sofrimento e tristeza e os que se encontram em um estado resiliente, de dor, contudo, de enfrentamento. O tema 4 – A religiosidade e a espiritualidade como elementos para o enfrentamento da doença – demonstrou que esse aspecto contribui positivamente na vida dos colaboradores, trazendo-lhes força, segurança, auxiliando na busca de compreensão pela realidade atual que vivem e servindo como apoio comunitário a seu familiar adoecido.

O desenvolvimento deste estudo permitiu conhecer, em profundidade, a vivência dos familiares de pessoas que têm depressão, ao revelar os impactos que sofrem em virtude do surgimento dessa doença que ocasiona reorganização da dinâmica familiar, gera sofrimento e/ou frustração por parte dos familiares e desvela a importância da atuação dos serviços de saúde mental no acolhimento e cuidado a esses familiares.

Compartilhar
[3] [4]