17/05/2019

Diretrizes para Elaboração de Protocolos de Enfermagem na Atenção Primária à Saúde pelos Conselhos Regionais

Diretrizes e principais elementos que devem ser abordados na elaboração dos protocolos de Enfermagem.

No Brasil, a Atenção Primária à Saúde (APS) ou Atenção Básica possui uma trajetória de ampla expansão e desenvolvimento em busca de sua consolidação. Nesse processo, a Enfermagem ocupa uma histórica e importante inserção, o que vem a exigir-lhe uma constante busca pela qualidade do cuidado prestado por seus profissionais. Desde já se obtêm não somente as vias de uma formação de qualidade, mas a adoção de tecnologias e instrumentos que estabeleçam diretrizes que possam nortear e qualificar as suas práticas, como exemplo, os protocolos.

Diretrizes para Elaboração de Protocolos de Enfermagem na Atenção Primária à Saúde pelos Conselhos Regionais

Leia Mais:

O uso de protocolos

O protocolo caracteriza-se como a descrição de uma situação específica de assistência/cuidado. Contendo a operacionalização e a especificação sobre o que. Quem e como se faz. Orientando e respaldando os profissionais em suas condutas para a prevenção. Recuperação ou reabilitação da saúde.

Na estruturação de um protocolo, alguns aspectos devem ser observados. Tais como: finalidade. Público-alvo. As linhas de cuidado prioritárias. Evidências científicas e os princípios éticos e legais que o norteiam.

O uso de protocolos apresenta várias vantagens, promove maior segurança aos usuários e profissionais, estabelece limites de ação e cooperação entre os envolvidos, reduz a variabilidade do cuidado, norteia o profissional para a tomada de decisão em relação às condutas, incorpora novas tecnologias, respalda legalmente as ações, dá maior transparência e controle dos custos, dentre outras.

Os registros da assistência de Enfermagem prestada na APS devem ser realizados no prontuário do paciente e outros documentos inerentes à profissão, contendo todas as informações de forma clara, completa e fidedigna, a fim de garantir a comunicação assistencial entre a equipe, o que proporciona a continuidade da assistência de forma segura.




    revista_enfermagem
    munean
    anais_cbcenf