- Biblioteca Virtual de Enfermagem – Cofen - http://biblioteca.cofen.gov.br -

Desafio Global de Segurança do Paciente Medicação Sem Danos

A divulgação do relatório do Institute of Medicine (IOM [1]), intitulado To Err is Human, em 1999, revelou o impacto da ocorrência de eventos adversos associados ao processo de assistência à saúde para pacientes e instituições. Com isso, maior atenção passou a ser voltada para o tema segurança do paciente, bem como para a necessidade de se discutir sobre a melhoria da qualidade dos cuidados em saúde em todo mundo.

Desafio Global de Segurança do Paciente Medicação Sem Danos

Desafio Global de Segurança do Paciente Medicação Sem Danos.

A Aliança Global para Segurança do Paciente foi lançada pela Organização Mundial de Saúde (OMS [2]) em 2004. Constituída como um esforço internacional, foi a primeira iniciativa envolvendo a OMS, agências reguladoras, governantes e pacientes, com o objetivo de facilitar o desenvolvimento de políticas e práticas em segurança do paciente nos estados membros e reduzir danos causados por eventos adversos em saúde. Sua criação permitiu a formação da Unidade de Segurança e Gerenciamento de Risco da OMS, que, dentre suas principais iniciativas, instituiu o Desafio Global de Segurança do Paciente.

Segurança do Paciente

O Desafio Global de Segurança do Paciente tem como objetivo identificar áreas de risco significativo para a segurança do paciente e fomentar o desenvolvimento de ferramentas e estratégias de prevenção de danos. Os dois primeiros desafios foram lançados em 2005 e 2008, com os temas “Higienização das Mãos [3]” e “Cirurgia Segura”, respectivamente, e tinham como objetivo central a redução de infecções associadas aos cuidados em saúde e o risco associado às cirurgias.

Em 2017, reconhecendo o alto risco de danos associados ao uso de medicamentos, a OMS lançou o terceiro Desafio Global de Segurança do Paciente com o tema “Medicação sem Danos” (em inglês, “Medication Without Harm”). A meta desse desafio é reduzir em 50% os danos graves e evitáveis relacionados a medicamentos, ao longo dos próximos cinco anos, a partir do desenvolvimento de sistemas de saúde mais seguros e eficientes em cada etapa do processo de medicação: prescrição, distribuição, administração, monitoramento e utilização. Para que isso seja possível, foram estabelecidos cinco objetivos específicos focados em ações para reduzir as deficiências nos sistemas de cuidados em saúde, evitando práticas inseguras no uso de medicamentos.

Compartilhar
[4] [5]