- Biblioteca Virtual de Enfermagem – Cofen - http://biblioteca.cofen.gov.br -

Dengue: Manual de Enfermagem

O pressuposto para a revisão do Manual de Manejo Clínico foi trabalhar com a definição de que a dengue é uma doença única, dinâmica e sistêmica. Dessa forma, o desafio do grupo foi elaborar um algoritmo simplificado, do tipo fluxograma, que descrevesse todos os conceitos revisados e todas as etapas a serem executadas. Em sequência, para o manejo dos pacientes com suspeita de dengue. O instrumento deveria ser eficaz, eficiente e não criar dúvidas na sua utilização. A construção do diagrama de manejo dos casos partiu do princípio de que, sendo a doença dinâmica. Principalmente pelo acompanhamento do paciente e o fluxograma que devem ser dinâmicos.

[1]

Leia Mais:

Classificação de risco

Classificação de risco e manejo do paciente propõe uma abordagem clínica – evolutiva baseada no reconhecimento de elementos clínicos e laboratoriais que podem ser indicativos de gravidade. Tem por objetivo identificar precocemente as formas graves da doença. Orientar o plano de acompanhamento e a conduta terapêutica adequada para cada situação clínica. O fluxograma está dividido em duas etapas principais: classificação de risco e manejo dos pacientes.

A classificação de risco tem por finalidade priorizar o atendimento dos casos de acordo com a gravidade, reduzir o tempo de espera do paciente e organizar o fluxo dos casos suspeitos nas unidades de saúde. Para o estadiamento clínico duas questões devem ser formuladas pelos profissionais de Saúde. De acordo com o fluxograma, a partir da avaliação inicial e suspeição dos casos de dengue, o responsável pela triagem deve questionar a presença de sinais de alarme ou sinais de choque, identificados no próprio material.

Compartilhar
[5] [6]