- Biblioteca Virtual de Enfermagem – Cofen - http://biblioteca.cofen.gov.br -

Cuidar Bem Da Saúde De Cada Um

A Política Nacional de Saúde Integral da comunidade LGBT instituída pelo Ministério da Saúde, garante às mulheres transexuais, às travestis e aos homens trans o direito à saúde integral, humanizada e de qualidade. Tanto no Sistema Único de Saúde, quanto na rede de atenção básica como nos serviços especializados.

A ampliação do acesso a essa população aos serviços de saúde do SUS [1] passa pelo respeito ao nome social e pelo enfrentamento à discriminação por orientação sexual e identidade de gênero.

[2]

 

Leia mais:

Identidade de gênero

Expressão de uma identidade construída a partir de como a pessoa se reconhece e se apresenta. Que pode corresponder ou não ao seu corpo biológico.

A identidade de gênero não deve ser confundida com orientação sexual. Enquanto identidade de gênero se refere a como a pessoa se identifica (masculino e/ou feminino). A orientação sexual está ligada a como a pessoa se relaciona sexual e afetivamente. Mulheres transexuais e homens trans podem ser heterossexuais, homossexuais ou bissexuais.

Discriminação e preconceito e acesso à saúde

As travestis, as mulheres transexuais, e os homens trans são alvos de brincadeiras de mau gosto e maus-tratos. Frequentemente hostilizados na família, na escola e nos espaços públicos. Casos de violência física e psicológica, motivadas por preconceito e violações de direitos, são acontecimentos comuns nas suas vidas. A pouca experiência dos serviços de saúde em relação ao tema da saúde trans constitui uma barreira aos cuidados em saúde desta população.

É preciso dar importância às trajetórias de vida dessas pessoas, que passam por intenso sofrimento, depressão, processos de automutilação e até tentativas de suicídio que, na maioria das vezes, estão relacionadas aos diferentes tipos de violência e privações a que foram submetidos pela sociedade ao longo de suas vidas.

Compartilhar
[6] [7]