- Biblioteca Virtual de Enfermagem – Cofen - http://biblioteca.cofen.gov.br -

Cuidado de Enfermagem à Idosa Com Síndrome da Fragilidade Fundamentado na Teoria do Conforto

A Enfermagem é uma ciência complexa, constituída de um corpo de conhecimentos com os quais fundamenta o manejo ao ser humano em suas diferentes fases da vida. Nas ações de manejo, cuidado, utiliza teorias e linguagem de Enfermagem, intencionando a individualidade e eficiência deste. Em relação às fases da vida, no tocante ao idoso, o Enfermeiro efetua o cuidado, firmando o compromisso de promover saúde, prevenir agravos e, especialmente, aliviar a dor e o sofrimento em um contínuo processo de cuidado confortador.

Cuidado de Enfermagem à Idosa Com Síndrome da Fragilidade Fundamentado na Teoria do Conforto

Cuidado de Enfermagem à Idosa Com Síndrome da Fragilidade Fundamentado na Teoria do Conforto. Foto: Divulgação

No contexto das Instituições de Longa Permanência de Idosos (ILPI [1]), residem, também, idosos frágeis que demandam cuidado mais complexos. Compreendendo a fragilidade como uma síndrome clínica com impacto significativo na vida do idoso, implica na associação de fatores biológicos, psicológicos e sociais. É, ainda, preditora de diferentes desfechos adversos em saúde e, demanda serviços sociais e de saúde. As principais manifestações clínicas são fraqueza, diminuição da atividade física, perda involuntária de peso, dificuldade de deambulação e perda de equilíbrio.

Neste sentido, o Enfermeiro, na prática clínica, entrelaça seu saber-fazer científico, planejando o cuidado humano individualizado por meio da consulta de Enfermagem ou Processo de Enfermagem no local. No uso da consulta ou Processo de Enfermagem, estabelece por meio de raciocínio clínico, o Diagnóstico de Enfermagem e elabora intervenções/atividades, consoante o resultado esperado, com  base em teorias e na linguagem de Enfermagem.

Cuidado de Enfermagem

O uso da Linguagem de Enfermagem, a exemplo da (NANDA-I [2]), qualifica o cuidado, confere visibilidade ao processo de trabalho do Enfermeiro, favorece a organização da prática profissional e estabelece uma nomenclatura própria. E, ainda, agrega as necessidades biológicas do idoso à subjetividade no cuidado por meio de ações confortadoras, evidenciadas pela resposta humana. Tais ações, alicerçadas em referencial teórico-conceitual, consideram as distintas formas de viver e compreendem que estas implicam em diferentes maneiras de envelhecer.

Para o estudo, adotou-se como referencial a Teoria do Conforto [3], cuja meta é a satisfação das necessidades humanas, por meio de ações de alívio, tranquilidade e transcendência, considerando o contexto biopsicossocial e espiritual em que o indivíduo se encontra. As intervenções/atividades de conforto dirigidas ao idoso frágil são realizadas pela interação entre o profissional, o contexto e a vontade de ele acontecer. Este processo caracteriza-se pelo olhar da integralidade e pelo planejamento de ações de saúde em parceria com a equipe multiprofissional, com base no compromisso, intencionalidade e mutualidade.

Teoria do Conforto

Assim, o estudo de caso apresentado fundamentou-se na teoria do Conforto de Kolcaba, classificada como de médio alcance, Classificação dos Resultados de Enfermagem (NOC) e Classificação de Intervenções de Enfermagem (NIC). O uso da linguagem e Teoria de Enfermagem favorece um Cuidado centrado no paciente, possibilitando disseminar a ideia e modelo para os profissionais da prática clínica, especialmente, na Instituição de Longa Permanência onde se realizou o cuidado.

Desse modo, o estudo teve como objetivo descrever resultados e intervenções/atividades de Enfermagem para a idosa com o Diagnóstico de Enfermagem Síndrome do Idoso Frágil, fundamentado na Teoria do Conforto.

Compartilhar
[4] [5]