- Biblioteca Virtual de Enfermagem – Cofen - http://biblioteca.cofen.gov.br -

Covid-19 e Suas Repercussões na Saúde Mental de Enfermeiros

Publicação que teve o objetivo de averiguar as repercussões na saúde mental de enfermeiros e abordagem das estratégias de enfrentamento no contexto da Covid-19 [1].

Covid-19 e Suas Repercussões na Saúde Mental de Enfermeiros

Covid-19 e Suas Repercussões na Saúde Mental de Enfermeiros. Foto: Divulgação

Método: Estudo transversal, realizado com 58 enfermeiros mestrandos de Instituição de Ensino Superior, privada, localizada em capital do nordeste brasileiro. Os dados foram obtidos por meio de dois questionários de um momento de orientação organizado pelos pesquisadores. Os dados foram organizados no software IRaMuTeQ. A entrada dos dados quantitativos foi realizada usando-se a planilha eletrônica Excel 2003 for Windows, sendo estes dados posteriormente submetidos à análise estatística por meio do programa Statistical Package for the Social Sciences [2] (SPSS versão 23.0).

Resultados: Os discursos revelaram ansiedade, cansaço, medo, insegurança, angústia e dor dos enfermeiros. Contudo, o aparecimento de palavras como tranquilidade e bem nos discursos ressaltam atitudes de confronto, superação e esperança, conforme identificadas nas falas. Quanto ao momento Síncrono, organizado pelos pesquisadores, participaram 16 enfermeiros, e, oito desses, conseguiram definir essa estratégia como otimismo; confiança; aprendizado; gratidão; excelência, dentre outras. Buscou-se identificar os níveis de ansiedade estado e seus fatores intervenientes. Dentre os que referiram sentir-se ansiosos, 52 (89,7%) eram mulheres e 38 (65,5%) eram casados. A idade média foi de 36,0 ± 6,9 anos. Observou-se que a maioria dos participantes possuía carga horária semanal de até 40 horas (37; 63,8%), com mínima de 30 horas e máxima de 114 horas. Observou-se que o estado de ansiedade apresentou variação entre baixo à alto, sendo, a maioria, agrupada no nível médio (62,1%).

Conclusão: Na pandemia, foi evidente a preocupação dos enfermeiros com seus familiares, bem como medo, preocupação e ansiedade nos discursos e termos, requisitando ações da gestão de pessoas no sentido de favorecer o controle/administração desses sentimentos.

Compartilhar
[3] [4]