- Biblioteca Virtual de Enfermagem – Cofen - http://biblioteca.cofen.gov.br -

Atitudes do Pessoal de Enfermagem Relacionadas ao Processo de Enfermagem

A legislação em enfermagem [1] prevê o uso da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE). As atitudes dos profissionais de enfermagem sobre o processo de enfermagem (PE) e o poder clínico que percebem ter para realizar mudanças são fatores potencialmente associados ao processo de implantação e manutenção da SAE.

Atitudes do Pessoal de Enfermagem Relacionadas ao Processo de Enfermagem

Atitudes do Pessoal de Enfermagem Relacionadas ao Processo de Enfermagem. Foto: Divulgação

O estudo tem como objetivo descrever as atitudes relacionadas ao PE (disposição sobre o PE e percepção de poder clínico) de auxiliares de enfermagem e enfermeiros; analisar associações entre atitudes relacionadas ao processo de enfermagem e variáveis selecionadas.

Processo de Enfermagem

Trata-se de um estudo descritivo-exploratório de delineamento transversal, com amostra não probabilística de 973 auxiliares de enfermagem e 632 enfermeiros de 35 hospitais e ambulatórios vinculados à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (86,9% do sexo feminino, idade média de 44,12 anos (DP= 9,55), 52,3% trabalhavam em hospitais gerais, cerca de 44 horas semanais, estavam nas instituições há 10 anos em média). Os dados foram coletados por meio de resposta ao instrumento de caracterização sociodemográfica e aos questionários padronizados Posições sobre o Processo de Enfermagem (PPE) adaptado para esse estudo e o Power as Knowing Participation in Change Tool [2]– versão brasileira (PKPCT), que apresentaram boas estimativas de validade e confiabilidade. Testes não paramétricos foram usados para analisar associação entre as atitudes relacionadas ao PE e as variáveis selecionadas.

RESULTADOS: O escore total médio no PPE foi de 112,37 (DP=22,28) e o escore total médio no PKPCT foi de 281,12 (DP= 38,72) para os 1605 respondentes. Houve associação entre as duas atitudes relacionadas ao PE e categoria profissional, a atitude dos enfermeiros sobre o PE foi mais favorável que a dos auxiliares de enfermagem (p=0,024) e a percepção de poder dos enfermeiros foi mais elevada que a dos auxiliares de enfermagem (p=0,004). Houve correlação positiva moderada entre os escores do PPE e do PKPCT para os auxiliares (r=0,480; p=0,000) e para os enfermeiros (r=0,460; p=0,000). Os auxiliares do sexo feminino tiveram disposição sobre o PE (111,93) mais favorável que os do sexo masculino (106,11) (p=0,018) e maior percepção de poder (279,75 vs 270,84) (p=0,020); na amostra de enfermeiros não houve associação entre essas variáveis. Apenas para os auxiliares de enfermagem ter pós-graduação associou-se significativamente a maiores médias de atitude sobre o PE (119,0, p=0,011). As enfermeiras que relataram ter cargo de chefia apresentaram escores de percepção de poder mais elevados (293,52) que as enfermeiras sem cargo de chefia (282,61 p=0,010), mas não houve associação entre cargo de chefia e atitude sobre o PE. As associações entre os escores do PPE e PKPCT e as variáveis idade, tempo de formado, atividade principal, satisfação com a carreira, satisfação com o local de trabalho, conhecimento e contato com a SAE foram de intensidade desprezível no caso das correlações ou não significantes ao nível de 5%.

Compartilhar
[3] [4]